The Devil in World Religions

By Vexen Crabtree 2014 Feb 04

Many religions contain an enemy of the system: a being that questions why things are the way they are, who challenges the supreme power(s), who accuses them of hypocrisy and who leads mankind away from cosmic ideals of subservience and acquiescence1. Satan often represents the world itself2. It has not appeared universally and many cultures lack any such centralized figure of evil3. In those places where it did arise there has not been a common path of development4. The root of the word Satan comes from ha-satan, a Hebrew word meaning “the accuser”, “opposer” and “the adversary”, or as a verb, “to accuse” and “to oppose”. Anyone could be described as ha satan depending on their actions. The Septuagint Greek translation of the Hebrew Scriptures rendered the word as diabolus, from which we get the word “devil”. InChristianity it is Satan, The Devil; in Islam it is Shaitan or Iblis and in Buddhism it is Māra. All these opposing beings promote the materialism of this world, rather than the more spiritual route of abstaining from stuff in order to obtain the next world. In other words, the primary role of Satan, in its various guises in world religions, is the rejection of spiritual wishful-thinking, and the embrace of our present real-world life. It seems that from the point of view of philosophical naturalism, Satan turns out to be the “good” guy!

1. Explaining Evil: Why World Religions Personify Evil

Aside from Satan, Christianity and Islam say that hosts of beings fell from heaven. In Islam these are Jinn – sometimes spelt “Djin”, “Jinn” or even “Genies” in some popular myths. In many polytheistic religions many gods have dark and evil sides as well as good ones, and those sides are given individual names and personified. These types of beings represent the parts of the natural world that people found it hard to explain – pain, disease, natural disasters, mental instability and other evil and scary things. Because their “good” gods can’t have crested these things, there must be other being responsible for them. God forbid that such things are merely the results of impartial natural laws of physics – unthinkable! Because the simple and ignorant people of the past could not fathom the basis of life in chemistry, the basis of natural disasters in geology and physics, and the basis of disease in biology and genetics, the representations of the evil forces in nature seemed to them to be perfectly suited to an intentional agency. So they perceive demons, devils, the jinn, and many others. They all result from ignorance and fear, and they all oppose the supreme creator and what is “good”. Through these scapegoats the supreme creator is excused responsibility for creating death, pain and suffering.

The word jinn probably means covert or darkness. Jinns are the personifications of what is uncanny in nature, or perhaps the hostile and unsubdued aspects of it.

Why I am not a Muslim” by Ibn Warraq (1995)5

By trying to separate the “evil” side of the natural world from the “good”, these religious beliefs make it very hard to understand the natural world. In reality there is no good and evil, and natural forces are simply impartial, amoral and blind. It is a great boost to the ego to believe that cosmic forces are fighting over you, but reality is much more boring. By creating hosts of demons and devils to represent the evil, and then trying to blot them out, these religionists lose grip of reality. This is why scientists – who study the truth – have very frequently come into battle with religious institutions!

Now, the development of such arch-nemeses has come by various historical means and is not universal. In the Hebrew world, over time the disparate hosts of demons slowly came to be seen as being organized under various demon-princes. As superstitions slowly decreased, the number of individual, unique demons fell. In their place arose the more philosophically-minded idea of a generic personification of conscious evil (which was incidentally under the control of god). But it was all-too-easy to imagine that there was a genuine battle between God and ha-Satan (the opposer), although to believe that you have to find a way of explaining why the all-knowing creator of everything chose to create Satan at all. You’d think it would simply pass him by. These philosophical problems are the result of a mythology that developed over time, rather than the result of one that was worked out sensibly from the beginning. In India there is no such all-pervading figure that represents evil. Gods have good and angry sides, so, no single figure of torment was necessary. But A. A. Macdonell reports that this wasn’t always the case – there was once the idea of a cosmic battle between good and evil more akin to Zoroastrianism. He says: “the older Rig-Vedic notion of the conflict of a single god with a single demon, mainly exemplified by Indra and Vrta, gradually developed into that of the gods and the Asuras in general being arrayed against each other in two hostile camps”4, although nowadays (and for some time), such abstract notions are not given credence amongst the world’s most populous nation. Sir Charles Eliot declares confidently that “no sect of Hinduism personifies the powers of evil in one figure corresponding to Satan, or the Ahriman of Persia”4.

Links:

2. Religions

2.1. Zoroastrianism (Ahriman)

Zoroastrianism is one of the most ancient religions about which anything is known, and is over 3,000 years old6. It still has followers today. It arose in ancient pre-Islamic Iran “in the eastern and south-central regions of the Iranian world, between the great mountain ranges of the Hindu Kush and Seistan, an area that today is divided between Iran and Afghanistan” and it still survives there, although it faces constant and sometimes violent persecution. It was supposedly founded by Zarathustra (Zoroaster)6.

It is in many ways monotheistic, in that there is a single creator god (Ahura Mazda), and this makes it a significant precursor to many of the religions that later rose in a similar vein, including the monothestic religions Judaism, Christianity and Islam. But Zoroastrianism is mostly often called dualistic1 because most concerns are to do with Ahura Mazda’s twin children “Spentu Mainyu (‘beneficient spirit’) and Angra Mainyu (‘hostile spirit’)”6. The hostile spirit is better known by its Middle Persian equivalent: Ahriman. Their different temperaments arise “from the choice they made between ‘truth,’ asha, and the ‘lie,’ druj, between good thoughts, good words, and good deeds and evil thoughts, evil words and evil deeds”6. The battle between these two define the theology of Zoroastrianism and this dualistic idea of ‘spiritual warfare’ remain with monotheistic religions to this day, especially Christianity and Islam1, although the perceived balanced between God and Satan is different.

 

2.2. Buddhism (Māra)

Book Cover

Many religions, typically Eastern religions such as Buddhism7 and Hinduism8, assert that everyone lives through a long succession of lives and that the material world and all conscious beings are separated from Nirvana. The cycle of rebirth (samsara) is a cycle of angst, pain and delusion, and only escape from the whole system can end suffering. To escape you need to attain enlightenment, and it is your desires, wants and carnal side that prevents this from happening, inBuddhism the being that represents the distractions of the real world is called Māra. The bad guys of the Buddhist the Pāli Canon are dominated by the single figure of Māra and long passages are devote to this ‘Evil One’9.

Reference to Māra in the Buddhist cannon, and its etymology, identify it with the very concept of death (and life, and consciousness, and all other Earthly things). “It is connexion with death, but particularly the overcoming of death, that Māra is often mentioned in the Canon. In this context death is always regarded as an evil, the unwelcome Antaka, the ender of an existence which is not ready to be ended”10. Māra represents darkness and blindness11 and all the sensory pleasures12. The full extent of Māra’s power is utterly formidable to everyone except those on the verge of enlightenment, and is generally formidable even to those who have been following the eightfold-path for some time:

Put into Māra’s mouth in the Kassaka Sutta:

‘Mine, recluse, is the eye, mine are material shapes, mine is the field of visual consciousness. Where can you go, recluse, to escape from me? Precisely mine, recluse, are the ear, sounds, the field of auditory consciousness; the tongue, tastes, the field of gustatory consciousness; the body, touches, the field of tactile consciousness; precisely mine, recluse, is the mind, mine are the mental states, mine is the field of mental consciousness.’

All these claims of Māra are conceded by the Buddha: ‘Precisely yours, Malign One, is all this. But where there is none of this, there is no coming in for you.’ [...] What emerges from these definitions is a conception of the whole of samsāric existence as the realm over which Māra rules. [...] In terms of Buddhist cosmology this is a way of referring to the whole of life apart from [Nirvana]. [...]

Enumerated in detail in the Suttanipāta [Māra's forces] consist of passion, aversion, hunger and thirst, craving, sloth and torpor, fear, doubt, self-will, cant, and various forms of self-exaltation. Prominent among these, and specially closely connected with Māra is the first, passion (kāma, orrāga).

Buddhism and the Mythology of Evil” by Trevor Ling (1997)13

An author who has studied Māra and the Christian Satan, Ernst Windich, came to the conclusion that despite some striking similarities, there are an equal number of striking differences, and that each idea really diddevelop independently14. It seems easy to see that where Māra and the Christian Satan mesh well is exactly in the way that us humans excel at creating abstract personalities from real-life problems (why is there evil, suffering and death in the world?), and where they mesh least well is in the theological and philosophical underpinning of the arch-enemy of mankind.

2.3. Judaism and Christianity (Satan, The Devil)

2.3.1. Satan in the Hebrew Scriptures

There are surprisingly few references to Satan in the Christian Bible. Some references once seen as being references are now known to be otherwise due to better translations, such as that to Lucifer, which we now know refers to an honourable dead king. Even the serpent in the story of Adam and Eve is not Satan (and isn’t called Satan) as the Garden of Eden was a perfect paradise and a place free of sin, so Satan could not have been there. It is ridiculous to think that God ejected Adam and Eve from Eden for sinning whilst it allowed Satan itself to creep around there!

Satan wasn’t even the name of the opposer for most of the history of Judaism. There was a being called the opposer, or the adversary. So in The Book of Job in the 4th century BCE, a being described as the satanapproaches God. “Satan” wasn’t its name; the word used means “the opposer”. It was only later that “Satan” became a name of a being15.

In biblical sources the Hebrew term the satan describes an adversarial role. It is not the name of a particular character. Although Hebrew storytellers as early as the sixth century B.C.E. occasionally introduced a supernatural character whom they called the satan, what they meant was any one of the angels sent by God for the specific purpose of blocking or obstructing human activity.

The Origin of Satan” by Elaine Pagels (1995)16

  • Zachariah 3:1-2: “And he shewed me Joshua the high priest standing before the angel of the LORD, and Satan standing at his right hand to resist him”.
  • Psalm 109:6: “and let Satan stand at his right hand”
  • Numbers 22:22,32: “and the angel of the LORD stood in the way for an adversary against him” [...] behold, I went out to withstand thee,”
  • 1 Samuel 29:4: The Philistines say: “lest he [David] be an adversary against us”
  • 2 Samuel 19:22: David says: “[you sons of Zeruaiah] should this day be [satans/adversaries] (plural) unto me?”
  • 1 Kings 5:4: Solomon writes to Hiram: “there is neither adversary nor evil occurrent.”
  • 1 Kings 11:14: “And the LORD stirred up an adversary unto Solomon, Hadad the Edomite”[12]
  • 1 Kings 11:23,25: “And God stirred him up an adversary, Rezon the son of Eliadah. [...] And he [Rezon] was an adversary to Israel all the days of Solomon”
  • 1 Chronicles 21:1: Satan invokes David to break God’s law against counting his men. Although when the same story is told in 2 Samuel 24:1, it is actually God who invokes the transgression. See: the discussion below: God and Satan are Interchangeable.
  • Job 1:8-12: God and Satan conspire to bring much suffering against the holy man Job, although the roles of God and Satan are intermingled. See: the discussion below: God and Satan are Interchangeable.

2.3.2. God and Satan are Interchangeable

Yea, the darkness hideth not from thee; but the night shineth as the day: the darkness and the light are both alike to thee.

Psalms 139:12 (KJV)

And no marvel; for Satan himself is transformed into an angel of light.

2 Corinthians 11:14

As various authors copied copies of the Hebrew Scriptures, changes accumulated in the stories. Sometimes, the same story appears twice. There are even two accounts of the Creation that contradict each other in the details. One such doubled story shows us clearly that the Old Testament God is evil, and Satan itself is not a separate being, but is actually part of God, a face of God. There is one occasion when David took a census of his men in order to count how many could fight in the armies of Israel. 1 Chronicles 21:2 and 2 Samuel 24:2 both contain a copy of the exact same text:

So David said to Joab and the commanders of the troops, “Go and count the Israelites from Beersheba to Dan. Then report back to me so that I may know how many there are.”

1 Chronicles 21:2

So the king said to Joab and the army commanders with him, “Go throughout the tribes of Israel from Dan to Beersheba and enroll the fighting men, so that I may know how many there are.”

2 Samuel 24:2

What had happened is that God had a rule: That David was not allowed to ‘number’ Israel. But, for some reason, David went ahead and did so. As a result, God punished them all for breaking his rule. But, it is very telling when we examine the preceding verse: Who inspired David to count Israel’s fighting men?

Satan rose up against Israel and incited David to take a census of Israel.

1 Chronicles 21:1

The anger of the LORD burned against Israel, and he incited David against them, saying, “Go and take a census of Israel and Judah.”

2 Samuel 24:1

In one copy of the story, we are told Satan told David to do so. In the other, it was God. How can this be? It is because in the Old Testament, Satan and God are the same being. Satan in the Old Testament is merely the face that God puts on when it is testing its people. “The anger of the Lord” is Satan. It was common in old religions (Hinduism, Roman religions, etc) for gods to have multiple faces, each associated with different emotions. In the Christian Bible, Satan is God.

A similar confusion of roles happens in the Book of Job. In Job 1:8-12 Satan approaches God and asks to test Job‘s loyalty to God. In Job 1:11 it is God who is asked “put forth thine hand now, and touch all that he hath, and he will curse thee to thy face”. Satan‘s idea is that if God demolishes Job‘s good life, then Job will no longer be faithful to God. But Satan can’t do this itself as it is God that has the power to do evil. In the next verse God gives that power to Satan:

And the LORD said unto Satan, Behold, all that he hath is in thy power; only upon himself put not forth thine hand.

Job 1:12 [KJV]

So, Satan acts only when God gives it power to do so. Once again, we see that God and Satan are merely two facets of the same being. One final verse seals this idea. Who, when it comes to the concluding of the story in chapter 42, is given the credit for bringing evil against Job? It is God itself:

[Job's friends and family] comforted him over all the evil that the LORD had brought upon him.

Job 42:11 [KJV]

Other translations such as Young’s Literal Translation phrase it in the same way. God and Satan are intertwined. Satan can’t do anything except by the will of God. Psalms 139:12, 1 Chronicles 21:1-2 and 2 Samuel 24:1-2, and Job 1:8-12, 42:11 all confuse good and evil, God and Satan into one single creative force, with God being described as not only the source of evil, but as its actual instigator. God cannot be benevolent.

2.3.3. Lucifer – The Misreading of Isaiah Led to the Demonisation of an Innocent Name

Most people equate Lucifer with Satan because of the mistakes of a large number of enthusiasticChristian writers, relying upon, as they were, a mistranslation and misunderstanding of a verse from the Bible. Popular poems, stories and (nowadays) the film industry, are all compelled towards continuing the association due to a lack of theological knowledge and academic fact-checking. Lucifer is not Satan.

The idea of the Devil as Lucifer, the fallen angel cast from Heaven because of his pride, derives from Isaiah 14:12-15. Although Isaiah was not actually referring to the Devil, but to the King of Babylon, the name Lucifer has become associated with Satan because of the similarity of passages such as Luke 10:18 and Revelation 9:1 to the Isaiah scripture.

Bible Facts” by Jenny Roberts (1997)17

The academic world has realized the errors. For example, in 1913 Webster’s Revised Unabridged Dictionary stated:

Lucifer \Lu”ci*fer\, n.
[L., bringing light, n., the morning star, fr. lux, lucis, light + ferre to bring.]
1. The planet Venus, when appearing as the morning star; — applied in Isaiah by a metaphor to a king of Babylon.

Translations of Isaiah 14:12
Literal Potentially Misleading
“light bringer” or “morning star” Lucifer
New International Version
New American Standard Bible
Amplified Bible
New Living Translation
English Standard Version
Contemporary English Version
American Standard Version
Young’s Literal Translation
King James Version
New King James Version
21st Century King James Version
Darby Translation.

The notes of the Amplified Bible on Isaiah 14:12 are particularly useful: “The Hebrew for this expression–“light-bringer” or “shining one”–is translated “Lucifer” in The Latin Vulgate, and is thus translated in the King James Version. But because of the association of that name with Satan, it is not now used in this and other translations. Some students feel that the application of the name Lucifer to Satan, in spite of the long and confident teaching to that effect, is erroneous. The application of the name to Satan has existed since the third century A.D., and is based on the supposition that Luke 10:18 is an explanation of Isaiah 14:12, which many authorities believe is not true. “Lucifer,” the light-bringer, is the Latin equivalent of the Greek word “Phosphoros,” which is used as a title of Christ in II Pet. 1:19 and corresponds to the name “radiant and brilliant Morning Star” in Rev. 22:16, a name Jesus called Himself. This passage here in Isaiah 14:13 clearly applies to the king of Babylon”.

So not only is the association of Lucifer with Satan wrong, but, it seems it is incredibly wrong: every indication points towards Lucifer actually being an alternative name of Jesus Christ, and, Isaiah 14:13 is an honourable and mournful passage about the loss of a fallen king, not about the fall of a being called Lucifer. The Greek means “bringer of light”, and is the name of the planet Venus, which has long been associated with clear-mindedness and spirituality by the myths of the world. It occurs in Buddhism in its positive and correct sense:

We are told that on the night of the full moon of Wesak (the month of May in the Western calendar), the Buddha fixed his mind on the morning star as it was rising, and the moment of full enlightenment occurred.

Buddhism” by Clive Erricker (1995)18

2.4. Islam (Shaitan, Iblis)

In Islam the equivalent of ha satan is Shaitan, which can be used to describe any barrier or opposition toGod, no matter its intention. The formal name of the being that represents all such attempts is Iblis. However, it is safe to assume that wherever you see Shaitan capitalized as Shaitan, then, it is in fact a reference toIblis. Shaitan is often easier to use because of its similarity to Satan.

The Islamic theology of Satan runs like this: After creating Adam, God commands all to bow before Adam.Satan, one of the Jinn (genies) (18:50) refuses because he was made from fire, while humans are only made from clay (7:10-18, 15:26-39, 17:61-63, 18:50, 20:115-123). The argument doesn’t make any sense, but, rather than re-educate Satan, God decides that a more useful course of action is to condemn Satan forever.Satan asks permission to cause evil for others and to lead them astray (e.g., 15:39), and rather than keep peace in the Universe and protect humanity from this powerful foe, God goes for it. The whole story is stated in 7:10-27, again in 15:26-46 and again in 20:115-124; and a shorter version in 17:61-63.

Satan and the jinn were not rejected for any action that was immoral, but for their questioning of a divine command. Freethought, intelligence, truth-seeking and doubt are all strictly forbidden: this has parallels with the Christian concept of the Tree of Knowledge in the Garden of Eden: Believe the wrong things, or, be tricked, and you will be punished severely and eternally! The God of Islam and Christianity is a true monster.

In Islam a Muslim must always seek to worship the creator, Allah, and not the creation (the material world). The worship of material things is the utmost evil. Satan represents materialism, truth-seeking and intelligence, three of the greatest enemies of the Islamic God.

Satan in Islam is also a surprisingly slippery fellow, and it is hard to discern what part he plays in the formal theology of Islam, where the power and justice of God is emphasized so heavily at the price of any other powerbase. The infamous Satanic verses are a peculiarity that have no comparison in Christianity, but, are on the surface similar to the way in which the Buddhist Mara confuses the ears and eyes of humankind:

At one point Muhammad and his kin were opposed by the polytheists around them. In particular, they were oppressed by the followers of 3 pagan gods in Mecca. When defeated, surrounded and under siege, Muhammad ‘seems to have even compromised his monotheism, at first, to make peace with the Meccans’19 and then he suddenly recalled some text that stated that the three pagan gods were valid intercessors after verses 19 and 20 (see how it reads now: Qur’an 53:10-12,18-23), after all! Lucky for Muhammad he remembered this important fact!

When Muhammad had a powerful army and his exiled followers returned, he recited a further passage: saying that it was an error, the three pagan gods were not valid – that Satan recites his own verses but now that “God annuls what Satan casts” Qur’an 22:52! How could this be? For starters, it blatantly contradicts Qur’an 39:28 which says the Qur’an is perfect. There are two possibilities. Firstly, that it is true that Satan can sneak verses into the Qur’an, or, that Muhammad simply made them up, in order to preserve his own skin in the face of defeat against the pagans. Either possibility undermines our trust in the entire book. If that insertion was made, but annulled, what others have been made, and left in?

The Qur’an is Incomplete and Untrustworthy: 2.2. Did Muhammad or Satan Insert the Verses?
Vexen Crabtree
(2002)

2.5. Polytheism, Hinduism (Not Applicable)

It is hard to find a comparison for Satan within Hinduism, Norse religion, Greek religions, etc, because inpolytheistic religions many beings have good and evil sides, and there are frequently different beings representing death, hell, evil, etc, but which also had positive sides. In such complicated and loose systems it is not possible to find a being or force that represents an enemy of the entire pantheon. “Buddhism and the Mythology of Evil” by Trevor Ling (1997) quotes Sir Charles Eliot on p46: “No sect of Hinduism personifies the powers of evil in one figure corresponding to Satan, or the Ahriman of Persia'”.

2.6. Norse Religions (Nidhogg)

Browsing through “Norse Mythology” by Arthur Cotterell (1997) (which is a part of his larger more generic work) I noted two beings: Nidhogg and Ymir.

Nidhogg. Germanic mythology, a dragon living at one of the three roots of the cosmic tree Yggdrasil. The freezing mist and darkness of Niflheim, which was the lowest of the nine worlds, was where the dragon lived, ripping corpses apart and eating them. Between mouthfulls he would send the squirrel Ratatosk up the cosmic tree on an errand of insult. [...] when momentarily tired of the taste of dead flesh Nidhogg would gnaw at the root of Yggdrasil itself.

Norse Mythology” by Arthur Cotterell (1997)

Satan is also later described as a dragon by Christian authors. Heathenism did not have a single “evil” god or force, nearly all the gods had darksides. But there is something appealing about Nidhogg! Depictions of the roots of Yggdrasil have snakes wrapped around the lowest roots. Such a being, feeding off of death (as life feeds from its killed prey, in turn feeding Nidhogg) constitutes the death of the cycle of life itself. If we see that all life dies, then Nidhogg will be victorious over all life, just as Satan represents death’s victory over all life. Nidhogg is not listed as an Infernal Name by Anton LaVey in The Satanic Bible, probably because beyond a few artistic details there is not much that can be formed in the way of a philosophy or a principal of Nidhogg.

Ymir in Germanic mythology was the first living creature. He was a frost giant who emerged from the ice in ‘the yawning emptiness’. He was evil and the mother and father of all frost giants. [When dead] his flesh became the Earth.

Norse Mythology” by Arthur Cotterell (1997)

Counting the Earth as good because it supports Human life (my life!), Ymir is an aspect of mythology that, like Satan, can be seen to be a mechanism by which the Earth is dependent on Satanic power. (All good is based on evil, see Good is Derived from Evil: Satanic Theory” by Vexen Crabtree (2002)).

This ties in roughly with the Islamic view of Satan. The Earth was created because Satan wished to create a secret domain away from God in order to have power. Although Satan is evil, we consider the Earth good and without the effects of this evil force the Earth would not exist.

 

2.7. Various Religions and Belief Systems

  • The Raelian Movement: “According to the Raelians, Satan is one of the Elohim, the race of aliens that created humanity. While most of the Elohim want humanity to develop and grow, Satan considers them a threat, is against the genetic experiments that created them, and believes they should be destroyed. He is blamed for some of the catastrophes that the Bible blames on God such as the Great Flood that destroys everyone save Noah and his family. The Raelian Satan is not necessarily evil. While he works toward the destruction of humanity, he does so with the belief that only evil can ultimately come from humanity”20.

  • Heaven’s Gate: “Satan is a being that has partially gone through the process of reaching the Next Level, which is the goal of believers. However, before fully completing this transformation and gaining acceptance into the Kingdom of Heaven, Satan and other “fallen angels” decided to re-embrace material existence and encouraged others to do so. As elevated beings, they can possess human bodies just as the aliens of the Kingdom of Heaven can”20.
  • Zhonghua Dalu Xingzhen Zhishi Zhan: An obscure and short-lived sect in China, which spun off from a Christian group called The Shouters. They themselves became the rebels, arguing “that the current government was associated with Satan and should be overthrown. The sect’s leadership was eventually arrested in 1995. It is unlikely that the membership ever numbered more than a few thousand”21. China is not a good place for such irrationalitiy (or dissent).

2.8. Satanism – The Church of Satan (Conglomerate)

Representing the enemy of God and the materialism that prevents spiritual escape from this world, Satan is the being of life, and of the enjoyment of life, and is therefore the nemesis of nearly all religious escapism. From one of the main pages on this website: Who is Satan? The Accuser and Scapegoat” by Vexen Crabtree (2010):

Satan is good and evil, love and hate. It is the gray; the totality of reality undivided into arbitrary dichotomies. Satan is not a real being, not a living entity, not conscious, nor a physical thing that can be interacted with. It is a symbol, something ethereal, something that exists as an emotional attachment and personal dream. Just like Buddhists do not worship Buddha, Satanists hold up Satan as an ultimate principle rather than an object of literal worship.Satan inspires and provokes people, so, like all (honest) religions the ultimate point is self-help. God-believers have a different opinion on what Satan is, but their opinion is a result of their religion, steeped in mankind’s ignorant past. Satanism’s Satan is much more eclectic and multicultural than to be defined by Christianity or Islam.

Satan is the dark force in nature representing the carnal nature and death of all living things. The vast majority of the Universe is cold, uninhabitable and lifeless. The only part of the Universe that we know contains life is tied to a system of predator-and-prey: the natural world is violent, desperate, bloody and amoral. If there is a god, it is surely evil. Satan, and Satan alone, best represents the harshness of reality.

Who is Satan? The Accuser and Scapegoat: 1. The Modern Symbol of Satan” by Vexen Crabtree (2010)

3. Righteous Satan

Some theologies and theories place Satan as a saviour and a defender of righteousness, and the white light God as an evil oppressor. Most common is the acceptance of Satan as a “true” correct symbol used to represent crisp reality, with God as the negative symbol of delusion. Satanic religions hold to this idea even if they lack the actual belief in a real god or Satan. These are common themes in Satanic music, and are also present in nearly all schools of thought that are labelled as Devil Worship. Some ancient Gnostic religions also hold that the good-seeming god is evil, whereas there are other more obscure good forces in life. I have a page on this particular take on Satan on my Satanism website; here is its menu:

4. Who Believes? The Slow Demise of Satan: Satan is Not Universal, Not Everywhere

The concept of a single figure of personified evil has not appeared universally and many cultures lack any such centralized symbol. For example, In Hinduism3 and in other polytheistic belief systems there is no such single deity because all of the gods themselves have good and bad sides, which together explain the evils of life without the need for a monopolizing instigator of suffering. Likewise in some philosophical-minded religions such as Bahá’í Satan is denied any power or formal standing in the theology. Developed, liberal,Christianity has reached the same conclusion, with bodies such as the Church of England being highly reticent to mention “Satan” anywhere. Aside from religious groups, the large number of atheists, humanistsand other non-religious folk around the world also, of course, lack a belief in Satan.

A YouGov poll (2013) reports that in the UK, 65% of the populace do not believe in Satan – it is still quitesurprising that 18% actually do. In the USA, an astounding 57% believe in it.22

In Europe, Satan was taken most seriously in the late Middle Ages and Early Modern period23, a time in which human learning and knowledge was severely challenged by social instability and the Christiandomination of education. Likewise, in other parts of the world where superstition is rife and schools are sparse, the idea of evil spirits cause much fear. Philosophical and intellectual development tend to weaken the worth of the idea of Satan, and in Christianity and Buddhism the symbol is becoming superfluous24, with the concept of “evil” itself often being downgraded to mere “human sinfulness” (part of the system) andnatural disasters (explained by science). Despite this, Satanists hold on to the positive elements of the symbol, and the biggest Satanic organisation is the Church of Satan which already accepts Satan only as a metaphor, and not as a real being.

Links:

Read / Write Comments

By Vexen Crabtree 2014 Feb 04
Second edition 2010 Nov 12
Originally published 2003 Jan 30
http://www.humanreligions.info/satan.html
Parent page: Human Religions

Fonte:  http://www.humanreligions.info/satan.html#Biblical

 

 

Evolução Espiritual

000

Por Ana Burke.

.
O conceito de evolução espiritual só serve para dividir as pessoas,a raça humana, colocá-las em níveis diferentes e sustentar o sistema de castas.

Evoluído e atrasado espiritualmente é invenção dos atrasados em termos de humanidade que consideram evoluídas as pessoas integradas na sociedade a que chamam de “civilizada” e seguem um deus que consideram “civilizado” que criou os evoluídos esquecendo ou ignorando o resto.

O planeta em que vivem não interessa, os animais e florestas não interessam, nem aos evoluídos e nem a Deus que matou segundo o livro de horrores, todos os animais do planeta no dilúvio, assim como todas as plantas. Matou também neste dilúvio crianças recem-nascidas e aquelas que estavam no útero das mães.

Em Sodoma e Gomorra Deus “fez chover enxofre e fogo” e “destruiu aquelas cidades e toda aquela campina, e todos os moradores daquelas cidades, e o que nascia da terra”. Gênesis 19:24-25

E novamente deus matou crianças, animais e velhos indefesos. Quem ele salvou em Sodoma e Gomorra? Ló e as duas filhas que fugiram para uma caverna, tiveram relações sexuais, as filhas e o pai, com a aprovação de deus. Ló era homem de Deus.

E todas a guerras contra àqueles que ele considerava inimigos? Guerras injustas, bárbaras e recheadas de covardia. No Egito, ele ENDURECEU o coração do Faraó, e endureceu…e endureceu…e endureceu novamente até que conseguiu matar todos os filhos mais velhos dos egípcios:

“O Senhor, porém, endureceu o coração de Faraó, e este não os quis deixar ir”.Êxodo 10:27

É a este deus que chamam de justo? Um deus que torna as pessoas indefesas e depois as mata, não a elas, mas a membros inocentes das suas famílias?

“E eu endurecerei o coração de Faraó, para que os persiga, e serei glorificado em Faraó e em todo o seu exército, saberão os egípcios que eu sou o Senhor” Êxodo 14:4

E deus matou apenas seres humanos inocentes e indefesos?

Não. Matou também os animais e mandou que os hebreus roubassem, jóias e pertences dos egípcios. Por vaidade…para mostrar a todos que ele era o “Senhor”.

Seria possível seres evoluídos seguirem um deus assassino, ladrão, vingativo, e covarde? Um deus que gostava de sacrifício, de cheiro de carne e gordura queimada… E chamam este deus de Santo…O que se entende disso. Que todos os santos são feitos da mesma massa. Todos portam as mesmas características deste deus. E o Espírito Santo? Não é este Espírito Santo o espírito deste deus? Sim! Quando você “pensa” estar recebendo o espírito Santo na sua igreja, é este mesmo espírito Santo que você recebe.

“EU SOU O SENHOR, VOSSO SANTO, O CRIADOR DE ISRAEL, VOSSO REI”. Isaías 43:15.

Analisando a história percebemos que os seguidores deste deus ou da bíblia, ou aqueles que seguem a Jesus, não poderiam ser evoluídos espiritualmente.

Segundo os critérios estabelecidos pelos próprios religiosos, O que é “ser evoluído espiritualmente”? Quem têm competência neste mundo para dizer que alguém é ou não é evoluído espiritualmente? Cor da pele é que determina se a pessoa é evoluída ou não? Diploma universitário? Quais são os critérios usados pelos religiosos? Os mesmos critérios defendidos por Allan Kardec de que evoluídos são apenas os europeus e descendentes de europeus? A Raça Adâmica inventada por Kardec para dividir as pessoas em inferiores e superiores? Os racistas como Kardec ou os espíritos que ditaram a doutrina espírita são evoluídos espiritualmente? O Papa é evoluído espiritualmente? Por favor senhores(as)…leiam, estudem e se inteirem da história da sua igreja. Pensem que os seus filhos estão lá dentro.

O que pode vir de um ser atrasado espiritualmente? Seres evoluídos? Vejamos:
“Assim diz o Senhor Deus de Israel: Cada um ponha a sua espada sobre a sua coxa; e passai e tornai pelo arraial de porta em porta, e mate cada um a seu irmão, e cada um a seu amigo, e cada um a seu vizinho”. Êxodo 32:27
“E suas crianças serão despedaçadas perante os seus olhos; as suas casas serão saqueadas, e as suas mulheres violadas.
Eis que eu despertarei contra eles os medos, que não farão caso da prata, nem tampouco desejarão ouro. E os seus arcos despedaçarão os jovens, e não se compadecerão do fruto do ventre; os seus olhos não pouparão aos filhos”. Isaías 13:16-18

As frases que mais se ouve dos religiosos é “ Deus é amor” e “É preciso Temer a Deus”. Eu digo que MEDO e AMOR são incompatíveis juntos. Um destrói o outro.
Da mesma forma, qualquer ignorante sabe que os filhos seguem o exemplo dos pais. Deus não é Pai? Pois bem! Ele não deveria matar NUNCA ou mandar matar. Ele não deveria roubar NUNCA ou mandar roubar. Os pobres de espírito vão seguir o exemplo.

Um ser assassino não cria filhos bondosos e muito menos evoluídos espiritualmente.

 

Provas da Ignorância e Maldade de Allan Kardec.

00

Por Ana Burke.

Segundo Kardec somente os brancos (Raça Adâmica) são evoluídos. Vamos verificar se isto é verdade.
A História prova que Allan Kardec era uma pessoa totalmente ignorante e maldosa. Podemos confirmar aqui as falas de Kardec e verificar a história dos povos que ele afirma que não eram evoluídos.

*****

Falas de Allan Kardec.

“a raça adâmica é, com efeito, a mais inteligente, a que impele ao progresso todas as outras. A Gênese no la mostra, desde os seus primórdios, industriosa, apta às artes e às ciências, sem haver passado aqui pela infância espiritual”(A Gênese » Capítulo XI – Gênese espiritual – Raça adâmica)

“Os negros, pois, como organização física, serão sempre os mesmos; como Espíritos, sem dúvida, são uma raça inferior, quer dizer, primitiva; são verdadeiras crianças às quais pode-se ensinar muita coisa;” (Allan Kardec, “Perfectibilidade da raça negra” Revue Spirite, Abril de 1862)

a raça negra, enquanto raça negra, corporeamente falando, jamais alcançará o nível das raças caucásicas; (Allan Kardec, “Perfectibilidade da raça negra” Revue Spirite, Abril de 1862)

“seria impossível atribuir a mesma antiguidade de criação aos selvagens que mal se distinguem dos macacos, que aos chineses, e ainda menos aos europeus civilizados” (Allan Kardec, A Gênese, ed. LAKE p. 187).

*****

Observação:

Falando dos Sumérios – Todos negros

A Suméria, os mesopotâmios, núbios, fenícios, e egípcios por exemplo deixaram legados com valores incalculáveis para a humanidade e nenhum deles pertencia à “Raça Adâmica” e não falando aqui também nos povos do Vale do Indo, chineses, Japoneses e nativos das américas.

O Sumeriólogo Samuel Noah Kramer afirma que “Nenhum povo tem contribuído mais para a cultura da humanidade do que os sumérios”. E eram todos negros. Nesta época não existiam brancos no planeta. Quem entende o que é “RAÇA” sabe que os brancos não são uma raça, mas uma sub-raça originada de povos que os precederam.

A Matemática ensinada, incluia habilidades mais simples, como adição e multiplicação, mas também passou através das raízes mais complexas, tais como geometria e quadrados. O professor suméria era conhecido como um ummia.

Há sempre uma discussão, para saber se foram os sumérios, os egípcios ou pessoas do vale do Indo, a inventar a escrita, a matemática, calendários, etc. Basta dizer que os Sumérios tinham desenvolvido um sistema complexo comercial, incluindo contratos, subvenções de crédito, empréstimos com juros e parcerias comerciais. Além disso, o planejamento das grandes obras públicas sob seu controle, levou os sacerdotes a desenvolver a matemática útil, incluindo tanto a notação decimal e um sistema numérico baseado em 60, o que nos deu o nosso sexagésimo segundo minuto, a nossa hora de sessenta minutos e a nossa divisão do círculo em 360 graus. Eles inventaram tabelas matemáticas e usaram equações de segundo grau. Eles estudaram os céus, tanto para fins religiosos e agrícolas, e criaram um calendário lunar, com um dia de 24 horas e uma semana de sete dias. Acredita-se também que os Sumérios inventaram a roda e a carroça, assim como o barco a vela.

A casa típica rica dos sumérios incluía salas de recepção, cozinhas, banheiros e, talvez, uma capela privada. A música era uma parte importante da vida, os instrumentos incluíam harpas, tambores, pandeiros, e tubos. Poemas e canções dedicadas aos deuses também eram muito comuns.

Os Sumérios foram os primeiros a fabricar barcos e muitas das suas invençoes foram depois aperfeiçoadas por outros povos como por exemplo, tanto os barcos, como a cerveja foram melhoradas pelos egípcios NEGROS).

*****

Falando dos EGÍPCIOS – Todos Negros

Em O Legado do Antigo Egito, o egiptólogo Warren R. Dawson, da Universidade de Oxford, na Inglaterra, cita papiros médicos datados de até mais de 40 séculos atrás retratando procedimentos médicos e remédios usados até hoje por profissionais da área de saúde. Substâncias como óleo de rícino, ácido acetilsalicílico, própolis para cicatrização e anestésicos já eram conhecidas. Os documentos descrevem cirurgias delicadas, o engessamento de membros com ossos quebrados e todo o sistema circulatório do corpo humano.

Os egípcios dominavam métodos avançados para amputação de membros e cauterização e davam pontos para fechar incisões… Os dentistas já usavam brocas, drenavam abscessos e faziam próteses de ouro.

A medicina não foi a única ciência em que os egípcios se desenvolveram. Eles foram engenheiros notáveis em química, construção civil, naval e hidráulica.

Eles criaram os melhores barcos militares e a frota mais veloz. A chamada nau de Quéops, com 47 metros de comprimento e datada da Quarta Dinastia (2589 a 2566 a.C.), é a mais antiga embarcação desse porte encontrada até hoje. Num barco ainda maior, durante o governo do Necho II (610 a 595 a.C.), eles já haviam realizado a circunavegação da África.

Quem acredita que o primeiro navegador a dobrar o cabo das Tormentas, no sul da África, foi o português Bartolomeu Dias, em 1488, precisa rever seus conceitos.

A roda para bombear água movida a tração animal também vem do Egito, no tempo dos romanos, entre 30 a.C. e 395 d.C.

Na construção civil, os egípcios foram grandes mestres. Construções como as grandes pirâmides, a esfinge e as estátuas no Vale dos Reis estão entre as estruturas mais belas e requintadas da Antiguidade, mas os exemplos do impressionante uso da pedra, da marcenaria e da fabricação do vidro estão por todo o Egito.

Na Terceira Dinastia, por volta de 2700 a.C., já se cortavam pedras no tamanho e no formato dos tijolos atuais.

Os egípcios criaram também os primeiros serrotes de metal. Eram utilizados em rochas menos duras, como o calcário.

A primeira barragem pluvial de que se tem notícia data do final da Segunda Dinastia (2750 a.C.) [...] A engenharia egípcia também foi a primeira a utilizar réguas, esquadros e prumos. Eles foram os inventores do vidro moldado, processo ainda presente em alguns setores da fabricação de vidro opaco. A técnica do sopro foi desenvolvida posteriormente na Mesopotâmia. A base da tecnologia da fundição do bronze e de outros metais no mundo todo também veio do Antigo Egito.

Os egípcios eram caprichosos joalheiros e marceneiros. Já produziam móveis dobráveis e foram os precursores das camas com estrado.

A indústria da panificação também vem dos egípcios, bem como a adição de frutas e temperos aos pães”

O mapeamento celeste foi feito por egípcios e mesopotâmicos. Aos egípcios coube o reconhecimento das estrelas para contar as horas de noite e a montagem do primeiro calendário solar, com 365 dias em 12 meses. Foram eles também que dividiram o dia em 24 horas, 12 para a noite e 12 para o dia. Identificaram planetas como Vênus e Marte e estrelas como Sirius e Órion e localizaram o norte pelo posicionamento das estrelas.

Os egípcios foram químicos valiosos. Pioneiros na indústria de perfumes e excelentes técnicos na área de cosméticos

Instrumentos como harpa, flauta, trombeta de metal, oboé e dois tipos de alaúdes, o menor com um som parecido ao do violino, também são originários da terra dos faraós, bem como jogos de tabuleiro e brincadeiras infantis como cabra-cega e amarelinha.

No mundo dos faraós as mulheres tinham poder e direitos de dar inveja a diversas sociedades contemporâneas.

Conquista como o divórcio, que, no Brasil, só aconteceu na década de 1970, era uma prática aceita naquela sociedade, inclusive quando solicitado pela própria mulher, afirma a professora Margaret Bakos. A poligamia não era proibida, mas a responsabilidade financeira que um egípcio tinha com suas mulheres o fazia pensar muito antes de ter mais de uma esposa. A egiptóloga diz que não havia qualquer referência nos papiros em relação à virgindade ou à restrição do sexo apenas com finalidade de procriação.“Há registros de pessoas que foram incriminadas por terem conduzido um aborto que resultou na morte da mulher.” Havia sacerdotisas, agricultoras, escribas e donas de seus próprios negócios (padarias, peixarias) e galgavam com méritos próprios posições hierárquicas. Pelos registros encontrados, o valor do pagamento por seus trabalhos era igual ao dos homens. O homem e a mulher tinham posição de igualdade perante a lei. A mulher podia herdar, deixar heranças, trocar e vender propriedades e escravos.

*****

Todos os povos antigos eram negros, inclusive os INDIOS DAS AMÉRICAS.
Basta ver as suas contruçoes. Os íncas faziam cirurgias no crânio, os aztecas inventaram o chocolate, usavam água encanada e faziam maravilhosas obras de arte.

*****

Kardec era um ignorante

Toda a teoria sobre a evolução espiritual de Allan Kardec é uma grande mentira e uma grande farsa. São inúmeros os erros nos quais ele se embasou para escrever e fundar a sua doutrina que nunca pode se chamar ciência. O que existe é a proposta de uma grande divisão de classes e de pessoas promovendo a desigualdade entre elas, ao mesmo tempo em que promove o racismo e a discriminaçao. Nenhum ser humano tem competência para classificar pessoas em inferior e superior espiritualmente , ficicamente e de nenhuma maneira. Ninguém pode dizer também coisa alguma, ou determinar quem é ou não, evoluído espiritualmente.

*****

FONTES para consultas:

Phrénologie spiritualiste et spirite. Perfectibilité de la race nègre. Revue Spirite. Journal d‟etudes psychologiques. 5º année, avril, 1862.

La Phrénologie et la Physiognomonie. Revue Spirite. Journal d‟etudes psychologiques. 3º année, juillet, 1860.

La tête de Garibaldi. Revue Spirite. Journal d‟etudes psychologiques. 4º année, mars, 1861.

Allan Kardec. A Gênese. Rio-RJ: FEB, 1995.

_________. O Livro dos Espíritos. Rio-RJ, 1995.

Sites e revistas:

FEDELI, Orlando. Allan Kardec, um racista brutal e grosseiro. MONTFORT Associação Cultural: http://www.montfort.org.br/; capturado em 09/01/2006.

SOBRINHO, Paulo da Silva Neto. Allan Kardec, um racista brutal e grosseiro?!?: http://www.espirito.org.br/portal/artigos/paulosns/allan-kardec-um-racista.html

FIGUEIREDO, Paulo Henrique de. O polêmico texto de Kardec sobre a raça negra. Revista Universo Espírita. Ano 2, nº 24, 2005.

Bibliografia

APPIAH, Kwame Anthony. Na casa de meu pai: a África na filosofia da cultura. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

CAVALCANTI, M. L. O Mundo Invisível: Cosmologia, Sistema ritual e noção de pessoa no espiritismo. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

DAMAZIO, Sylvia F. Da elite ao povo: advento e expansão do Espiritismo no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.

DARMON, Pierre. Médicos e assassinos na Belle Époque: a medicalização do crime. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

GIUMBELLI, Emerson. O cuidado dos mortos: uma história da condenação e legitimação do Espiritismo. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1997.

SANTOS, Patrícia Teixeira. “A África ou a morte!”: o projeto civilizatório católico para a África Central. (1864-1881). Mimeo.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVA, Eliane Moura. O Espiritualismo no século XIX: reflexões teóricas e históricas sobre correntes culturais e religiosas. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

SILVA, Fábio Luiz. Espiritismo: história e poder (1938-1949). Londrina: EDUEL, 2005.

STOLL, Sandra Jacqueline. Espiritismo à brasileira. São Paulo: Edusp, 2003

http://www.exsurge.com.br/apologeticas/espiritas/textos%20espiritas/oracismodeallankardec.htm

Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, Instituto de Difusão Espírita, Araras, São Paulo, sem data, capítulo V, p. 126, 127.

Allan Kardec, A Gênese, Cap. XI – Gênese Espiritual, 29-32.

Allan Kardec, Obras Póstumas, retirado dehttp://www.amplasistemas.com.br/sites/kardec/htmlpublico/kardec001/ppo2191.htm.

http://www.mempphis.edu/egypt/main.html

http://www.egipto.com/museo/

http://www.egyptianmuseum.gov.eg/

http://super.abril.com.br/ciencia/fantastica-ciencia-antigo-egito-444035.shtml

 

Seres Humanos x Seres Irracionais

00

Por Ana Burke.
.
Por quê eu tenho que ter uma marca? Por quê todos tem que ser carimbados e nenhum ser humano é, ou pode ser somente, e simplesmente, um humano…vivendo em paz? …Não…não… Todos têm que exibir uma estampa, um slogan…e esta estampa ou slogan deve estar visível para que sejamos aceitos por todos.

Não existe e nem pode existir privacidade ou individualidade. Pessoas não são pessoas… Elas são uma cor e valem de acordo com a sua cor. Elas são uma nacionalidade e não basta pertencer ao planeta Terra. Elas são um país e o seu valor é determinado de acordo com o lugar onde nasceram. Elas vivem num sistema de castas e são superiores ou inferiores de acordo com a classificação que este sistema deu a elas. Elas têm que ter um partido político ou pertencer a esta ou àquela denominação…
Todos têm que ser e estar inseridos num padrão e seguir este padrão. São a mesmice. Comem todos o mesmo hamburger, bebem a mesma coca-cola, vestem a mesma calça jeans e deixam de ser humanos, passando a ser uma marca e vivemos em andares subdividido em patamares…inferior…superior.

Todos são marcados como gado…e não tente pensar ou ser diferente. Você não quer usar esta marca? …Você não pode comprar esta marca? Não? Então você não é.

Você aceita o que a maioria aceita? Ótimo…agora você é civilizado…palavra horrível que tira das pessoas a sua humanidade, o seu caráter , a liberdade e a personalidade. Somos animais domesticados e adestrados…amebas.

Cada país têm a sua ilha da fantasia construída para atrair tolos e centro de compras nos quais se pode comprar etiquetas para igualar o original e integrar o “não-civilizado” a todos os outros com as mesmas características. Você não é, e não pode ser…você têm que ter. Viver para o ser humano não é simplesmente viver, têm que ser, mas têm que ser o que todos são, e possuir o que todos possuem e mais ainda têm também que estar carimbado com rótulos…fulano é maçom, fulano é magro demais…o fulano é gordo demais…o fulano é aleijado, o fulano é estudado…o fulano é ignorante…o fulano é ateu…o fulano é negro, amarelo, vermelho. E como neste mundo aloprado só têm valor a cor branca, considerada superior pelos inferiores, o seu deus também é superior, os seus mandamentos são os mandamentos que devem ser acatados e todas as outras cores se ajoelham para o seu deus, que impõe regras de conduta mesmo sabendo que todos somos uma única raça…a raça humana.

O carimbo que cada um possui trás especificações de qualidade para cada ser humano e dependendo do rótulo que este carimbo carrega, a pessoa portadora deste não será aceita pela massa… a isto se dá o nome de discriminação ou preconceito. O discriminado deve ser evitado, abandonado a própria sorte…é uma praga social podendo que pode contaminar todo o rebanho, os iguais ou os protozoários se não forem afastados, ou seja, cada um deve se transformar e se adaptar às regras estabelecidas pela massa e ser esta massa.
Eu penso em tudo isto como uma aberração…mas quem sou eu?

No sistema religioso o adestramento da massa de humanos é um fator primordial para que cada um se salve e sobreviva…é proibido viver. E todos são julgados, ou porque acredita, ou porque desacredita. Acreditar simplesmente me parece irracional…mas tudo bem. Eu não me importo a mínima com a sua crença em um deus. Eu só me importo com o que esta crença faz com as pessoas, a família destas e com milhares de pessoas à sua volta. As mentes são totalmente deterioradas e a crença ou fé se transformam em uma arma mortal nas mãos dos portadores destas crenças ou fé. Eles são transformados em um exército, e chamam a si mesmos de exército de deus…na verdade eles são batalhões compostos por loucos…loucos que convertem os outros e os forçam a ser o que eles são..a agir como eles agem…a portar a mesma crença e a frequentar a mesma igreja ou religião. Converter é a sua bandeira…precisam se salvar a qualquer custo e, sem perceber, já estão mortos e mortos podem ser levados, fazem o jogo do poder e do sistema…

O que a natureza nos proporcionou…reflexão e entendimento, são completamente embotados pelo sistema religioso…e é este o mundo dos humanos.

O animal mata…o ser humano assassina. O animal mata…o ser humano, antes de matar, tortura. O animal mata quando tem fome e para sobreviver…o ser humano é o único animal que realiza sacrifícios e sente prazer em proporcionar dor no seu semelhante. Ele mata com requinte, mata a mente…mata a vida interior, e o prazer de viver.

O ser humano é o único animal que mente, inveja, odeia…mas poderia ser diferente…Pode ser diferente porque também somos capazes de amar, de nos alegrar…não guerrear, mas conquistar.

Somos capazes de construir, de plantar árvores e quantas árvores poderiam ser plantadas enquanto estamos ajoelhados?

Quantas hortas poderiam ser plantadas para saciar a fome dos humanos famintos enquanto estamos andando em procissão e adorando estátuas?

Quantas visitas a crianças em orfanatos ou velhos em asilos poderíamos fazer enquanto estamos preocupados com os nossos demônios e infernos imaginários?

Quantas flores poderíamos plantar, colher e espalhar enquanto estamos espalhando discriminação e preconceitos?

E quantas crianças carentes poderíamos amar e cuidar enquanto estamos comprando porcarias ungidas, ou dando dízimos a homens maldosos que matam o nosso cérebro, e o cérebro dos nossos filhos?

Por que construir templos quando podemos alimentar a vida proporcionando educação e saúde a todos? Desde quando precisamos aprender o que ou quem é deus num livro quando temos uma consciência e inteligência para discernir o certo do errado?

Que deus é este que está impregnado em todas as mentes ocupando o lugar do bom senso, do discernimento, da reflexão, do entendimento e da razão? Não é isto o que nos torna especiais e nos difere dos animais irracionais? Ou seremos nós os irracionais?

Enquanto carregamos a cruz…o amor está morrendo e vidas estão se perdendo. Quem precisa de um livro ou de outros seres humanos para aprender o que é deus, ou precisa de um templo para adorar este deus, é muito pobre de espírito e deles será o Reino dos céus. Eu dispenso este reino, dispenso este tipo de salvação, dispenso a companhia dos loucos enjaulados em sua própria ignorância, dispenso o privilégio de ser chamada de escolhida, dispenso o conceito ou a crença de superioridade que estes infelizes carregam. Dispenso e quero longe da minha vida e da vida dos meus…pastores, papas, Allan Kardec e seus asseclas, os rabinos, o buda e toda a mentira e hipocrisia que acompanham estes seres…abomino tudo o que vem deles e tudo o que possa me transformar em uma massa impensante e insensível.

Não quero ser responsável, direta ou indiretamente, pela perpetuação da miséria humana. A liberdade é o bem mais precioso que existe…e poucos de nós sabe disso ou pode se dizer livres. A crença no “livre arbítrio” é uma gaiola que prende o ser humano e o vincula ao pecado.


O ser livre e consciente, não peca… ele erra e acerta.

 

Quantos deuses existem no Cristianismo?

Olympians

 

Por Ana Burke

.
Temos dois deuses…não? Estou enganada, são três deuses que são misericordiosos, justos e bons…não? Realmente não são três…são muitos e todos fazem milagres. Eu me esqueci da infinidade de santos que estão por trás deles, dos deuses principais, ou seja, do Pai, do Filho e do Espírito Santo, sendo que este último faz um estrago danado e foi inventado no Concílio de Níceia para dar suporte ao segundo deus na escala, Jesus Cristo. Ah! E foi nesta época também que, Jesus foi promovido, e de um simples profeta, se transformou em deus.

Estes três deuses do cristianismo são os deuses do Olimpo. São os deuses do panteão sendo “Deus” (dizem que têm nome) o mais importante deles, está sentado num trono no céu, mesmo sendo infinitamente grande. Eu não consigo imaginar como algo imensurávelmente grande e sendo um espírito consiga se sentar em um trono, e usar uma coroa na sua cabeça infinitamente grande e imensurável. Pior ainda é que o espírito incomensuravelmente grande… e infinito…usa roupa e têm barba.

Pra mim…olhando…olhando…Ele têm a mesma cara de Zeus que usava também uma coroa e estava sentado num trono, no Olimpo, rodeado de seres mágicos com asas…Igualzinho os anjos e arcanjos do cristianismo. A única diferença entre eles é que os seres mágicos de asas dos gregos não usavam roupas e os anjos do cristianismo usam roupas…e muitas roupas… Que pensem com seus botões quem tem botões…Eu acho que resolveram cobrir as “vergonhas” dos seres mágicos auxiliares de Zeus e os chamaram de anjos. Incrível! Até os demônios têm roupas.

Zeus, digo Júpiter…não…não…não, Deus, é o Pai dos deuses e dos homens, o deus criador. Ele criou tudo o que existe, é o chefe da tribo.

Só acredita que Horus…não! Errei. Jesus é Deus quem nunca leu a bíblia. E algum cristão lê a bíblia? Católicos não lêem e nem o padre ou o pastor lê…eu penso. Embolam tudo, interpretam de acordo com a conveniência de cada um ou da igreja a qual pertencem. Só falam besteira pra ameba acreditar.

*****

Comparando os dois deuses principais da bíblia


O que DEUS nos ensina de importante? Moral? Bons costumes? Como sermos felizes? A amar o próximo? Ele nos ensina que a Natureza deve ser preservada, que os animais devem ser respeitados? Será que ele nos ama realmente como um Pai deve amar um filho? Será que Deus é realmente Justo? Será? Veremos…sem o véu da fé, usando a razão, o discernimento, o bom senso e a inteligência que possuímos…Penso que somos inteligentes, não? Muito resumidamente e tendo Deus como exemplo…os filhos sempre seguem o exemplo dos pais, vamos abrir a bíblia e estudar um pouquinho. Vejamos:

Ele fez dez mandamentos que nem Ele mesmo cumpriu, muito pelo contrário, ou seja, faça o que eu mando e não o que eu faço.
Não matar – Ele matou a humanidade inteira incluindo crianças de colo e crianças que estavam por nascer, animais, plantas e todos os seres vivos existentes quando nos mandou o dilúvio…mas se preocupar pra quê…Encontre uma…uma única família na bíblia como exemplo de união, felicidade, amor, moral e que possa nos ensinar bons costumes. Não existe. No Velho Testamento têm todo o tipo de velhacaria, imoralidade e violência que nem o ser humano mais imperfeito que já existiu conseguiria conceber e realizar. E este é Zeus…Errei de novo. Este é Deus.

O outro deus é Jesus…o Cristo… e os católicos pensam inocentemente que Deus e Jesus é o mesmo. Mas são muito diferentes. Deus é o chefe da tribo e é também chamado de Pai e Senhor. Já o outro deus, Jesus, disse claramente na bíblia que Ele é o filho, o mais especial, o filho dileto, mas filho como todos os outros que seguem este deus. A única diferença entre Ele, Jesus, e os normais filhos de Deus é que Jesus era um profeta deste deus e por isto era considerado um filho especial. A própria bíblia atesta isto. E as mentiras lavoram por séculos seguidos.

Um deles…Deus, espalha sangue, miséria e destruição sem tréguas. Ele manda que os pais apedrejem o filho se este for beberrão e comilão, manda torturar e matar mulheres não virgens, crianças de colo por nada, motivo nenhum, simplesmente porque eram filhos de gentios (não israelitas), aprova a pedofilia, aprova sexo entre o pai e filhas, como no caso de Ló, meninas virgens são para serem usadas sexualmente pelos homens ( números 31: 1-35), faz guerras e incentiva guerras contra os gentios promovendo massacres para roubar terras para os israelitas, ensina membros da família a matar outros da família que não o seguem, ou seguem outros deuses, aprova a escravidão, deu ordens para que nenhum deficiente físico se aproximasse do seu altar, discriminava e ordenava matança de amigos, vizinhos e familiares. Salmos 137:9 ensina que feliz é o Pai que arrebenta os filhos nas pedras…Resumindo…Este é o deus do Velho Testamento…

O outro, o deus do Novo Testamento, Jesus, ensina o servo a obedecer ao seu Senhor, e se não for obediente, será açoitado. Veio para ensinar sofrimento e servidão e mostrar às ovelhas que o seguem o caminho a seguir para se tornarem perfeitos covardes e perdedores. Não é por acaso que os Judeus não seguem o cristianismo. Eles sabem que o cristianismo os transformariam em cordeiros e eles acreditam que nasceram para ser leões e predadores. A história confirma isto. Os judeus concentram as maiores fortunas do mundo, são formados nas melhores universidades, tem poder político enquanto os gentios estão ajoelhados ou carregando a cruz, conformados e achando bonito dar a outra face ao inimigo.

Jesus veio para fazer escravos para Israel, para os judeus. Ele é totalmente o oposto do deus de Israel ou deus dos exércitos. Jesus é aquele que deu a cara para o inimigo cuspir, escarrar e bater ensinando os cristãos como deveriam fazer para serem “salvos”. Ele trouxe para o mundo a ignorância e matou o cérebro das pessoas que o seguem transformando a todos em protozoários.

Este deus é muito pior que o deus do Velho Testamento. O deus do Velho Testamento matava o corpo e este matou o caráter, a vontade de viver e convenceu a todos que a senzala é o paraíso.

Um deus deu vida ao corpo e o outro fez do corpo de todos os seus seguidores um templo de demônios, além de exigir que partes deste corpo, que pecam, devem ser arrancados fora e jogados no inferno…Isto mesmo, Ele trouxe com Ele também o Inferno com tormento eterno, um ensinamento totalmente oposto àquilo que ensinou o deus do Velho Testamento, já que em todo o Velho Testamento inferno é SEPULTURA. Não que Jesus tenha ensinado que existe o tormento eterno. Não existe isto na bíblia, mas os mercenários da fé resolveram adotar a noção de inferno com tormento eterno do paganismo (Tártaro).

Um trouxe as leis, o outro trouxe a cruz, e ambos trouxeram a salvação da morte, que eles mesmos criaram para a humanidade.

O diabo? Ele é o opositor, aquele que discorda dos deuses, do sistema religioso, e de suas leis. É aquele que usa a razão, o que pensa e que não se submete a si mesmo ou a sua família à escravidão e aos abusos e mentiras dos mercenários que criaram as religiões.

Temos ainda um terceiro deus, o Espírito Santo criado…inventado muito depois e inserido na bíblia para dar suporte a leis posteriores que seriam inventadas pelas igrejas. Basta o lider religioso afirmar que foi inspirado pelo Espírito Santo para que se torne verdade na cabeça do gado. Portanto, o espírito de Zeus…digo, Deus justifica qualquer absurdo ou barbaridade cometida em nome da fé, em nome do deus de Israel ou do cristianismo.

E de qual deus é este espírito? É o espírito do criador de Israel…que os tolos e otários acreditam ser o deus da humanidade.
“EU SOU O SENHOR, VOSSO SANTO, O CRIADOR DE ISRAEL, VOSSO REI.” Isaías 43:15

Mas não acabou. Não mesmo. No século IV introduziram o quarto deus…Maria, depois do Concílio de Êfeso. E a ela, que chamaram mãe de deus, se seguiram outros…e outros…uma infinidade deles. São estátuas, defuntos e pedaços de defuntos santos por todo o planeta.

Dizem que em terra de cego quem tem um olho é rei, e eu digo que em terra de analfabeto, quem sabe o B-A-BA é o dono da boiada.