Roubos, Torturas e Assassinatos dos Índios das Américas em Nome de Cristo.

A imagem pode conter: 2 pessoas

Tradução: Ana Burke

• Começando com Colombo (um ex-traficante de escravos e um sagrado cruzado), começou a conquista do Novo Mundo, como sempre entendido como sendo um meio para propagar o cristianismo.
• Poucas horas depois de terem pousado na primeira ilha habitada, encontrando-se no Caribe, Colombo agarrou e levou seis nativos que, segundo ele, “deveriam ser bons servos … [e] seriam facilmente feitos cristãos, porque pareciam não pertencer a nenhuma religião “. [SH200]
Enquanto Colombo descrevia os índios como “idólatras” e “escravos, tantos como [a Coroa] deveria ordenar”, seu amigo Michele de Cuneo, nobre italiano, referiu-se aos nativos como “bestas” porque “eles comem quando estão com fome “e fazem amor” abertamente sempre que eles sentem que desejam isso “. [SH204-205]
• Colombo, em cada ilha, na qual colocou o pé, ele plantou uma cruz, “fazendo as declarações que são necessárias” – o requerimento – para reivindicar a propriedade que antes pertenciam aos indígenas para os seus clientes católicos na Espanha. E “ninguém se opôs”. Se os índios se recusassem ou adiassem a sua aceitação (ou entendimento), o requerimento continuava:
Certifico-te que, com a ajuda de Deus, entraremos poderosamente no teu país e faremos guerra contra ti … e te submeteremos ao jugo e obediência da Igreja … e te faremos todo o mal que podemos, e aos vassalos que não obedecem e se recusam a receber o seu senhor e resistem, contradizem-no “. [SH66]
• Da mesma forma, nas palavras de John Winthrop, primeiro governador da Colônia da Baía de Massachusetts: “justificando os empreendimentos da plantação pretendida na Nova Inglaterra … levar o Evangelho às partes do mundo … e levantar um Bulworke (campanha de guerra) contra o… Anticristo “. [SH235]
• Em média, dois terços da população nativa foram mortos por varíola importadora de colonos antes do início da violência. Este foi um grande sinal de “a maravilhosa bondade e providência de Deus” para os cristãos, é claro, por exemplo, o governador da Colônia da Baía de Massachusetts escreveu em 1634, como “para os nativos, estão perto de morrer todos de varíola, de modo que O Senhor limpa nosso título (terra) que possuímos “. [SH109,238]
• Somente na Hispaniola, nas visitas de Colombo, a população nativa (Arawak), pessoas bastante inofensivas e felizes que viviam em uma ilha com abundantes recursos naturais, literalmente um paraíso, logo foram contados 50 mil mortos. [SH204]
• Os índios sobreviventes foram vítimas de estupro, assassinato, escravização e ataques dos espanhóis.
• Como um dos culpados escreveu: “Tantos índios morreram que não podiam ser contados, em toda a terra…índios morreram em todos os lugares. O fedor era muito grande e pestilento”. [SH69]
• O chefe indiano Hatuey fugiu com seu povo, mas foi capturado e queimado vivo. Quando “eles o estavam amarrando na estaca, um frade franciscano pediu-lhe que aceitasse Jesus em seu coração, para que sua alma pudesse ir para o céu, em vez de descer ao inferno. Hatuey respondeu que se o paraíso fosse onde os cristãos estariam, ele preferiria ir para o inferno.” [SH70]
• O que aconteceu com seu povo foi descrito por uma testemunha ocular:
“Os espanhóis encontraram prazer em inventar todos os tipos de crueldades estranhas … Eles construíram um longo gibbet (armação de madeira para pendurar grupo de pessoas depois de enforcar) de altura suficiente para que os dedos dos pés tocassem o chão para evitar estrangulamentos e penduraram nele treze [nativos ] por vez em honra de Cristo, nosso Salvador mais os doze apóstolos … então, a palha estava enrolada em torno de seus corpos rasgados e eles foram queimados vivos”. [SH72]
Ou, em outra ocasião:
“Os espanhóis cortaram o braço de um, a perna ou o quadril de outro, e de alguns as suas cabeças de um golpe, como açougueiros cortando carne de carneiro para o mercado. Seiscentos, incluindo o cacique, foram mortos como bestas brutas. … Vasco [de Balboa] ordenou que quarenta deles fossem despedaçados por cães “. [SH83]
• A “população da ilha de cerca de oito milhões de pessoas no momento da chegada de Colombo em 1492 já havia diminuído em um terço a meio antes do ano de 1496”. Eventualmente, todos os nativos da ilha foram exterminados, então os espanhóis foram “forçados” a importar escravos de outras ilhas caribenhas, que logo sofreram o mesmo destino. Assim, “os milhões de nativos do Caribe [foram] efetivamente liquidados em apenas um quarto de século”. [SH72-73]
• “Em menos tempo do que duraria a vida normal de um único ser humano, uma cultura inteira de milhões de pessoas, residentes em sua terra natal, haviam sido exterminadas”. [SH75]
• “E então os espanhóis voltaram a atenção para o continente do México e da América Central. O matadouro mal começou a funcionar e a cidade requintada de Tenochtitln [cidade do México] foi a próxima”. [SH75]
• Cortez, Pizarro, De Soto e centenas de outros conquistadores espanhóis também saquearam civilizações do sul e mesoamericanas em nome de Cristo (De Soto também saqueou a Flórida).
• “Quando o século 16 terminou, cerca de 200 mil espanhóis se mudaram para as Américas. Por esse tempo, provavelmente mais de 60,000,000 nativos estavam mortos”. [SH95]
Claro que não agiram de forma diferente os fundadores do que hoje são os EUA.
• Embora nenhum dos colonos tenha sobrevivido ao inverno sem ajuda dos nativos, eles logo se propuseram a expulsar e exterminar os índios. A guerra entre os índios (norte-americanos) era mais inofensiva, em comparação com os padrões europeus…numa guerra contra os colonos os índios geralmente pouparam mulheres e crianças. [SH111]
• Na primavera de 1612, alguns colonos ingleses encontraram a vida entre os nativos (geralmente gentis e generosos)…
“O governador Thomas Dale os perseguiu e executou:” Alguns ele apontou para serem enforcados, alguns para serem queimados e alguns para serem quebrados e colocados em rodas, alguns para sorteios em apostas e alguns para deixar de lado “. [SH105]
• “…para os nativos da Virgínia” os métodos eram diferentes : “Quando um indígena foi acusado por um inglês de roubar uma xícara e não retorná-la, a resposta inglesa foi atacar os nativos…, queimando toda a comunidade…”. [SH105]
• No território que é agora Massachusetts, os pais fundadores das colônias cometeram genocídio, no que ficou conhecido como a “Guerra Peqout”. Os assassinos eram cristãos puritanos da Nova Inglaterra, refugiados da perseguição em seu próprio país.
• Quando, no entanto, um colonizador morto foi encontrado, aparentemente morto por índios Narragansett, os colonos puritanos queriam se vingar. Apesar da promessa do chefe indiano, eles atacaram.
De alguma forma, eles parecem ter perdido a ideia do que estavam procurando, porque quando foram recebidos pelos índios Pequot (inimigos de longa data dos Narragansetts), as tropas, no entanto, fizeram guerra aos Pequots e queimaram suas aldeias.

• O comandante puritano, John Mason, depois de um massacre, escreveu: “E, de fato, o Todo-Poderoso deixou cair sobre seus Espíritos um terrível terror, que fez com que eles voassem de nós e corressem para as próprias chamas, onde muitos deles morreram … Deus estava acima deles, e ria dos seus Inimigos e dos Inimigos de seu povo…mandando-os para um forno ardente … Assim julgou o Senhor entre as nações, preenchendo o lugar com corpos mortos: homens, mulheres e crianças . [SH113-114]
• Então “o Senhor ficou satisfeito por ferir os nossos inimigos opositores e nos dar sua terra por herança”. [SH111].
• Por causa do conhecimento assumido por seus leitores do Deuteronômio, não havia necessidade de Mason citar as palavras que se seguem retiradas da bíblia:
“Você não salvará nada vivo que respire. Mas você os destruirá completamente …” (Deut 20)
• A camarada Underhill de Mason lembrou que “ótima e dolorosa foi a visão sangrenta dos jovens soldados”, mas tranquilizou seus leitores que “às vezes a Escritura declara que mulheres e crianças devem morrer com seus pais”. [SH114]
• Outros índios foram mortos em parcelas bem-sucedidas por envenenamento. Os colonos até tiveram cães especialmente treinados para matar índios e devorar as crianças dos seios de suas mães, nas próprias palavras dos colonos: “Cães de sangue para perseguir eles.” (Isto foi inspirado pelos métodos espanhóis da época).
Desta forma, continuaram até o extermínio quase total dos Pequots. [SH107-119]
• Os sobreviventes indígenas “foram divididos entre os colonos para viver em servidão. John Endicott e seu pastor escreveram ao governador pedindo” uma parcela “dos cativos, especificamente” uma jovem mulher e um menino… “. [SH115]
• Outras tribos tiveram o mesmo destino.
• Comentário dos exterminadores cristãos: “É a Vontade de Deus, que finalmente nos dará causa para dizer: quão grande é a Sua bondade! E quão grande é a sua beleza!”
“Assim, o Senhor Jesus os fez se curvar diante dele e lamber a poeira”. [TA]
• Assim como é hoje, mentir estava bem para os cristãos e, então “Os tratados de paz foram assinados com toda a intenção de violá-los: quando os índios” seguiam seguramente o tratado “, aconselhou o Conselho de Estado na Virgínia,” teremos a melhor vantagem se os surpreendermos e cortar Downe Theire Corne (cortar o milho deles – não tenho certeza) ‘. ” [SH106]
• Em 1624, sessenta ingleses fortemente armados derrubaram 800 homens, mulheres e crianças indígenas indefesos. [SH107]
• Em um único massacre na “Guerra do Rei Felipe” de 1675 e 1676, alguns “600 índios foram destruídos. Um satisfeito…reverenciado pastor da Segunda Igreja em Boston, mais tarde se referiu ao abate como um” churrasco “. [SH115]
• Para resumir: antes da chegada dos ingleses, o povo do oeste Abenaki em New Hampshire e Vermont contava 12.000 índios. Menos de meio século depois, cerca de 250 permaneceram vivos – uma taxa de destruição de 98%. As pessoas de Pocumtuck contavam mais de 18.000, cinquenta anos depois, estavam abaixo das 920 – 95% destruídas. As pessoas Quiripi-Unquachog contavam cerca de 30.000, cinquenta anos depois, ficaram abaixo de 1500 – 95% destruídas. O povo indígena de Massachusetts contava com pelo menos 44 mil, cinquenta anos depois, apenas 6000 estavam vivos – 81% foram destruídos. [SH118] Estes são apenas alguns exemplos da multidão de tribos que viviam antes de colonos cristãos colocarem o pé no Novo Mundo. Tudo isso ocorreu antes da ocorrência de epidemias de varíola ocorridas de 1677 e 1678.
• Tudo o que precede e está descrito era apenas o começo da colonização europeia, e antes que a era das fronteiras realmente tivesse começado.
• Um total de talvez mais de 150 milhões de índios (das duas Américas) foram destruídos no período de 1500 a 1900, como uma média de dois terços pela varíola e outras epidemias, que deixa cerca de 50 milhões mortos diretamente pela violência, mau tratamento e escravidão.
• Em muitos países, como no BRASIL e na GUATEMALA, isso continua até hoje.
Mais eventos gloriosos na história dos EUA
• O Reverendo Solomon Stoddard, um dos líderes religiosos mais estimados da Nova Inglaterra, em “1703 propôs formalmente ao governador de Massachusetts que os colonos recebessem os meios financeiros para comprar e treinar grandes quantidades de cães para caçar índios como eles fossem ursos”. [SH241]
• Massacre de Sand Creek, Colorado, 29/11/1864. O coronel John Chivington, ex-ministro metodista e ainda ancião na igreja atacou uma aldeia de Cheyenne de cerca de 600 pessoas, principalmente mulheres e crianças, que foram mortas a tiros, apesar de os chefes hastiarem com uma bandeira branca: 400-500 mortos.
De uma conta de testemunha ocular: “Havia cerca de trinta ou quarenta squaws encurralados em um buraco para proteção. Eles enviaram uma menina com seis anos de idade com uma bandeira branca em uma vara, ela tinha dado apenas alguns passos quando foi baleada e morta. Todas as pessoas naquele buraco foram posteriormente mortas … “[SH131]
• Na década de 1860, “no Hawai’i, o Reverendo Rufus Anderson examinou a carnificina que até então havia reduzido a população nativa das ilhas em 90% ou mais, e ele não viu isto como uma tragédia…A população era natural, afirmou o missionário…e equivalente à “amputação de membros doentes do corpo”. [SH244]

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

COMENTÁRIO:
O que os Cristãos estão fazendo com os Índios atualmente é monstruoso. Falam em Livre Arbítrio mas não respeitam os índios e não dão a chance para que eles vivam em paz. Todas as crenças dos Judeus e, especialmente, Jesus Cristo, desde que foi inventado, trouxe o inferno para este planeta. E o inferno continua, o extermínio continua, especialmente no Brasil e Guatemala. E a tortura dos indígenas vai continuar até que todos estejam pagando dízimo, conta de água, luz, gás, aluguel de casa, impostos e se tornem dependentes como nós “civilizados” somos do sistema, de eletrônicos, de roupas, de móveis e de drogas farmacêuticas, etc. Isto é o que se chama “ser ou pertencer a Jesus Cristo”:  Perder a liberdade e tornar-se escravo.

E os cúmplices das arbitrariedades que não querem ver ou saber o que este “Cristo” significa em matéria de maldade e destruição das suas próprias vidas, dizem: “Respeite a minha religião”.

Ana Burke

Fonte: http://www.truthbeknown.com/victims.htm

Um comentário sobre “Roubos, Torturas e Assassinatos dos Índios das Américas em Nome de Cristo.

  1. o problema é que senão fosse estes malditos cristão , não estaríamos aqui agora discutindo estes textos;; toda esta barbaridade que acontece ha mais de 500 anos infelizmente é responsável por estarmos vivos aqui neste país, que de fato pertence aos nativos.. mais lá no começo da nossa linhagem já ´eramos seres crueis e com a evolução ,involuimos ..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s