Deus está no Comando

Este slideshow necessita de JavaScript.


Por Ana Burke

Quando se diz, “o povo” a pessoa se exclui desse povo. Ele(a) não é e não faz parte do povo. Muitas vezes eu também faço isso mas estou consciente de que eu sou povo. O povo retrata e sustenta o país. O povo precisa de um Cristo, de um mártir, de um herói, de um deus ou de alguém humano que mostre a ele um exemplo a ser seguido ou alguém a quem idolatrar. O povo precisa de Santos e demônios, construídos na sua maioria, por aqueles que não se autodenominam “povo”, para o povo.

O povo precisa de um líder, um pastor, ou ele se desfaz e os indivíduos que fazem parte desse povo se transformam em ovelhas perdidas, sem norte, dispersos e desamparados. O povo precisa de ilusões mais do que de comida e isso é dado a ele em abundância. A esperança trás a conformidade, a inatividade, e enquanto espera por milagres, a vida passa em branco.

Lá fora existe alguém ou alguma coisa que vai trazer a esse povo a satisfação dos seus desejos, a solução para as suas necessidades. O Faraó era deus e o povo se ajoelhava diante desse deus. Ele não era só um governante mas a encarnação daquilo que para o povo era a perfeição. O poder de um homem sobre os outros faz desse homem alguém superior. Assim como o faraó, os REIS eram considerados deuses com poder de vida ou morte e todos se ajoelhavam diante do rei ou o reverenciavam ao vê-lo passar com o seu séquito. O povo é aquele que se submete ao sistema dominante, ou conscientemente, ou de forma insconsciente. Na Coréia do Norte, quando o seu líder Kim Il-sung morreu, o povo se desesperou. Morreu aquele que pra eles era imortal, o seu deus, e isso era inaceitável, inacreditável.

O NÃO-POVO é aquele grupo menor em número, mas com grande poder; e são eles que decidem como vai viver a maioria, impondo a todos costumes, tradições, religião e sistema político que satisfaz e mantenha o poder da Classe dominante. Quanto mais pobre e sem cultura é um país, maior é a submissão e maior é a exploração desse povo que deve trabalhar, incansavelmente, para manter o poder e o luxo de alguns.

Qualquer coisa que venha como resultado do trabalho do povo, para o povo, não é conquista ou mérito desse povo, mas uma caridade do poder governante a quem esse povo deve agradecer ou enaltecer.

Em 2018 teremos eleições no Brasil e o povo já têm os seus heróis escolhidos. Dá-se ao povo a ilusão de que ele tem o poder de escolher o seu governante e que esse governante, um único homem (raramente mulher) vá suprir todas as suas carências.

Não importa o Sistema político. Para o povo, “Deus está no comando”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s